SAL SOB OS PÉS.

"Vós sois o sal da terra. Mas se o sal perder o seu sabor, com o que se há de temperar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens." (Mateus 5.13)

O sal é uma força que muda totalmente um meio estranho. Quando o colocamos, por exemplo, sobre um alimento sem gosto, esse alimento transforma-se completamente, passando de algo insosso à algo que dá prazer ao nosso paladar.

O cloreto de sódio tem uma estrutura química estável, mas se deixado sobre a terra ou exposto ao sol, à chuva e ao ar, perde seu sabor e se torna inútil. E numa sociedade sem geladeira - como na época em que Cristo proferiu esse ensinamento - o sal era usado para temperar e dar sabor, mas, primordialmente, para conservar e retardar a deterioração do alimento.

Ao ser recolhido na região do Mar Morto, uma parte do sal era boa para salgar, temperar e conservar alimentos, mas outra parte perdia o sabor e sua eficiência. Esse sal que perdia o sabor era usado para outros fins: ele era guardado no Templo de Jerusalém e quando as chuvas de inverno tornavam escorregadios os pátios de mármore, o sal era espalhado no chão para reduzir o perigo de quedas. Portanto, o sal que perdia o sabor, era usado para ser pisado pelos homens.

Vale lembrar que o sal era um sinal da aliança de Deus com Israel. Assim como o sal preservava os alimentos, a aliança que Deus havia estabelecida com Seu povo seria preservada para sempre. Os judeus chamavam a Lei de "Sal da Terra" e Jesus então afirmou que Seus discípulos exercem essa influência.

Em resumo, se os discípulos de Cristo - e isso inclui também você e eu - não servirem para dar sabor a esse mundo e nem para preservar esse mundo de iminente destruição, eles perdem totalmente a sua essência e finalidade; servindo tão somente para que seja pisado pelos homens. De nada adianta estar no "saleiro", se não servir para salgar e conservar. É como açúcar que não adoça e água que não mata a sede, não tem utilidade alguma.

Portanto, enquanto muitos por aí dizem: "agora eu fiquei doce", continue almejando ser sal neste mundo que vai se deteriorando mais e mais.

Que a graça de Deus seja sobre a tua vida
Dele vem a graça, à Ele seja a glória!




Corrigindo os pequenos - Parte II


Por SAMU CAMPOS
Olá, semeadores! Tudo bem?
Continuando a saga sobre educação infantil, falaremos um pouco sobre como seria o modelo de criação à luz da palavra.
Gostaria de novamente relembrá-los que também estou aprendendo sobre criação de filhos e ainda tenho muito a aprender. Fiquem a vontade para partilhar suas experiências e aprendizado conosco.

"Corrige o teu filho, e ele te dará descanso; trará delícias para ti" - Provérbios 29:17
Vamos à pergunta chave: como disciplinar?
Bom, depende! Tudo depende!

A principio tenha em mente que a criança tende a ter comportamentos baseados em dois princípios de causa:

·         Motivações naturais: escolhas que elas fazem de acordo com suas necessidades (tentar se alimentar sozinha e consequentemente sujar todo o chão à sua volta e a si mesma. Aqui a criança não se sujou porque quis ou pra fazer birra. Ela estava tentando fazer algo por conta e devido às suas limitações, sujou! Aqui ela pode apresentar irritabilidade, frustração... sentimentos viáveis dentro do contexto).
·         Motivações geradas pelos pais: a criança observa o adulto e reproduz o comportamento/fala. Muitas vezes nos irritamos com determinadas situações e na verdade é apenas um pedido da criança de atenção dos pais ao que estão vivendo no momento (um exemplo é a mudança de comportamento em uma criança em uma fase de crise entre os pais. Tudo é ouvido e absorvido pelos pequenos e depois expressado em agressividade, retraimento, distração, entre outros).

O ideal é que saibamos diferenciar essas motivações antes de repreender as crianças. Precisamos ter sabedoria ao corrigir. Tomemos então alguns parâmetros:

·         Não gritar: Você gosta quando gritam com você? O que você sente? E quando é alguém maior, com mais força e superior à você? Fica inúmeras vezes repetindo seu erro e ofendendo? Já viveu isso? É péssimo, não é mesmo?
Vejamos o que a bíblia aponta sobre:

Quanto mais se abre a boca, mais tolices e frustrações experimentamos; o muito falar é inútil.” – Eclesiastes 6:11

·         Pense antes de falar, pese suas palavras:

O coração do justo medita no que há de responder; mas a boca dos ímpios derrama coisas más. “ –  Provérbios 15:28

Expressar a própria opinião é motivo de alegria; e como faz bem o conselho certo na hora necessária!” – Provérbios 15:23

 A língua dos sábios torna o ensino interessante, mas a boca dos insensatos é fonte de tolices.” – Provérbios 15:2

O sábio de coração é considerado inteligente; quem fala com equilíbrio tem o poder de convencer os outros.” Provérbios 16:23

·         Equacione sabedoria ao temor do Senhor:

Sabe, também, que a sabedoria é boa para a alma; se a encontras, com certeza haverá futuro para ti.” - Provérbios 24:14

·         Use palavras prazerosas para a correção:

“A instrução dos sábios é fonte de vida, e tem o poder de distanciar o ser humano das ciladas mortais.” – Provérbios 13:14

Os lábios do justo apascentam a muitos; mas os insensatos, por falta de entendimento, morrem." – Provérbios 10:21

Visto que somente pela graça de Deus podemos executar todas essas coisas, usemos dessa mesma graça para falar com nossos filhos (Provérbios 18.2).

Converse com seu filho, mantenha um diálogo. Deixe que ele expresse o que fez ou sente antes de repreendê-lo. A palavra diz que “responder antes de ouvir é insensatez e vergonha” (Provérbios 18:13) e infelizmente é assim que reagimos quando somos afrontados, o que pode acarretar uma série de danos.

Instrua diariamente sobre causas e consequências e, se ainda assim não for o suficiente, aí sim deve ser aplicada a correção física, mas isso é assunto do próximo post.

Fiquem com Deus, semeadores!
Até segunda que vem.
Beeeijooooo.

Nunca perca a fé



Por KARLA WALÉRIA
“Apareceu a Margarida olê olê olá...”

Olá, galerinha linda e abençoada! Tudo certinho com vocês?
Que saudades eu estava, mas apareci e dessa vez em dia diferente. Sim, agora vocês vão vir aqui “me ver” aos domingos \o/

Mas chega de conversa fiada e vamos ao que interessa (risos).

“Sem fé é impossível agradar a Deus. Qualquer um que quer se aproximar de Deus deve crer que ele existe, e que recompensará aqueles que sinceramente o procuram”. – Hebreus 11.6



Eu tenho certeza que vocês lembram do nosso querido amigo Jó; já devem estar carecas de saber sobre ele. Mas o cara era tão de Deus que anda e vira. estamos falando dele.

Todo mundo tem um leão para matar, todos temos dificuldades a vencer. Mas o que determina se esse “leão” vai ser derrotado ou não? É justamente a nossa fé.

E o que Jó tem a ver com isso?

Ele tem tudo a ver! Como vocês já estão cansados de saber, nosso querido amigo Jó perdeu tudo que ele tinha e só restou a esposa e a doença. Muitos de nós, se passássemos pela situação que Jó passou, com toda certeza nossa primeira atitude seria reclamar, blasfemar, questionar, espernear...
Mas Jó não! Olha o que ele disse assim que tinha acabado de perder tudo:

“... O Senhor me deu, o Senhor tomou de volta; louvado seja o nome do Senhor”. – Jó 1.21

Galera, vocês têm noção? O cara perdeu tudo; todos os filhos, toda riqueza e ainda ficou doente. E ele simplesmente glorifica a Deus por isso! A pessoa tem que ser muito de Deus pra fazer uma coisa dessas (risos).

Antes de fazer esse post, estava lendo um estudo que mostra como reclamar altera negativamente o cérebro. Eu acho que Jó já sabia disso, por isso ao invés de reclamar, glorificou.


Trazendo para os nossos dias, quero te dizer que por mais que a situação esteja difícil - talvez seja a situação mais difícil que você já passou na vida - não reclame! Creia em Deus e agradeça pelas coisas ruins também, porque a Bíblia diz que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus; e TODAS são TODAS!

“Ah mas tá difícil”.

Ele não disse que seria fácil, em nenhum momento Ele disse isso. Muito pelo contrário, Ele disse que teríamos muitas aflições aqui na Terra, mas Ele também disse que estaria conosco todos os dias, até a consumação dos séculos.

Então, por mais que você não esteja vendo uma solução, uma saída... Lembre-se de não reclamar, somente creia! Ele sempre tem um escape; sempre! E ainda que Ele não te dê o escape na hora em que você deseja, Ele continua sendo bom e Ele continua sendo Deus. Por isso, agradeça sempre e não perca a fé!

Para finalizar nada melhor do que II Coríntios 5.7:

“Porque vivemos por fé, e não pelo que vemos”.

Por hoje é isso, lindezas. Que Deus abençoe cada um de vocês e até a próxima!

Beijos da Kah :*

O valor do músico que adora

Por JOÃO VITOR PACHU
Oi, povo!
Paz do Senhor! Paz seja convosco! Graça e Paz!
Hoje é minha estreia aqui no blog e já quero ir direto ao assunto que irei tratar nas próximas semanas com vocês que é a área musical.


Para dar início aos nossos estudos, escolhi um tema que acho muito interessante: O VALOR QUE TEM UM MUSICO QUE ADORA.

A distinção entre a música secular e a música “sacra”, com certeza, já causou muitos debates naquele grupo de irmãos que você participa no WhatsApp.
Realmente há essa distinção?
Te digo com todas as letras: S-I-M


“João, não viva de achismos. Me mostre a base bíblica!”
Preparado?

Abra em I Samuel, capítulo 16, versículo 14 até o final.


Pense em um rei. Pense em guerras que tinha que administrar. Problemas financeiros no reino. Sua popularidade estava começando a ir de mal à pior com os seus súditos...
Todavia esse não era o pior dos problemas desse rei. Pense que o caos desse rei era a rejeição que ele tinha conseguido alcançar de Deus, ao ponto dEle permitir que demônios atormentassem esse monarca. Os problemas psicológicos começaram a se intercalar com os espirituais; e depressão e opressão já não tinham distinção.

A música sempre acompanhou a humanidade e COM CERTEZA, sempre a acalmou nos momentos mais difíceis e alegres. Acordes menores para um velório... Tons maiores, cheios de sustenidos e ritmos rápidos para festas...
Alguém deve ter pensado: “Claro! Vamos trazer música para o rei.” “TRAGAM-NOS UM HARPISTA! Mas não traz qualquer um, não! Traz alguém bom” (Se o Juninho Afram fosse daquela época já sabemos quem seria escolhido, né?)

Surge nessa história um rapaz. Bonito, aparência simpática, ruivo, simples de tudo, pastor de ovelhas... músico: Davi! Foi a ele quem chamaram para tocar quando o rei Saul estivesse em seus momentos de perturbação.
Com tantos músicos no reino (que não é possível que não se tinham músicos bons no reino!) qual o diferencial de Davi? Porque justo ele?

Ele não tocava por tocar. Davi colocava seus sentimentos de gratidão e amor a Deus em cada toque dos seus dedos nas cordas de uma maneira diferenciada. Não como os músicos de Israel que colocavam seus sentimentos sobre coisas desse mundo. Davi buscava o sobrenatural nas suas músicas. Davi fazia orações e criava canções com elas. Davi se humilhava diante do seu louvor. Davi usava a música para o propósito a qual ela foi criada: Exaltar à Deus e, UNICAMENTE, EXCLUSIVAMENTE, à Deus!

Penso eu que Davi levava a harpa pra todo canto com ele, enquanto encaminhava as ovelhas pelas paisagens desertas de Israel e pelo tempo que elas iam se alimentar das poucas moitas que restavam nos campos de areia, ele ficava compondo, estudando escalas, cantando orações e imaginando “pastos verdejantes” para que pudesse descansar.

O resultado dessa devoção conhecemos no último versículo desse capítulo.
Toda vez que o espirito maligno começava a atormentar Saul, Davi simplesmente dedilhava a Harpa. ISSO ME ENCANTA DEMAIS!!!!!!!!!
Davi só precisava IMPROVISAR na harpa e isso já era tão puro de coração, tão dedicado ao Pai, que já servia para espantar qualquer coisa.
Tente trazer isso para a sua realidade, para a sua congregação, seu grupo de louvor. Você não faz ideia de como vidas podem ser mudadas através do louvor que você direciona à Deus.
Seja como Davi. Não toque para ser engradecido. Toque para engrandecer à Ele.

Fiquem com Deus.
Orem por mim.
Estou orando por vocês.

A música da nossa vida

Por GABRIELA DUARTE
Ah, como viver sem música?
Ainda que seja o som do mais sublime silêncio, nele há música.
Porque ela paralisa, distrai, acalma, responde e nos questiona sobre nós mesmos. (Já percebeu?!)

É muito mais profunda e incognitiva.
A música nos representa, nos dá forma, nos reinventa.
E por mais que existam os breves momentos de silêncio, no fim, tudo que teremos, é uma canção de muito - ou pouco - contentamento.

Porém, em todo tempo, não dependerá apenas do sentido do vento.
Você fará com que a canção da sua vida seja mais bela do que qualquer filme ou novela, desde que permita que Deus escreva o coro, e os anjos cantem à capela.

Imagine (Cassiane)


POR SÂMELA RODRIGUES

A paz, meus queridos irmãos!
Nossa sexta nostálgica se inicia uma vez mais.

Hoje relembrarmos a música Imagine 1996, Maicom Santos, interpretada por um dos maiores nomes da música contemporânea cristã, Cassiane.

A música retrata as maravilhas que nos aguardam, a alegria e gozo eterno. Confesso que ao ouvir essa canção tenho saudades de algo que ainda desconheço, mas que meu Pai tem para mim como herança. Oh glória!

Veja o que nosso irmão João relatou, que maravilhas sem fim:

"Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia.
 Vi a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, preparada como uma noiva adornada para o seu marido.
Ouvi uma forte voz que vinha do trono e dizia: "Agora o tabernáculo de Deus está com os homens, com os quais ele viverá. Eles serão os seus povos; o próprio Deus estará com eles e será o seu Deus.
Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor, pois a antiga ordem já passou".
Aquele que estava assentado no trono disse: "Estou fazendo novas todas as coisas! " E acrescentou: "Escreva isto, pois estas palavras são verdadeiras e dignas de confiança".
Disse-me ainda: "Está feito. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. A quem tiver sede, darei de beber gratuitamente da fonte da água da vida.
 O vencedor herdará tudo isto, e eu serei seu Deus e ele será meu filho.

— Apocalipse 21.1-7


Eu queria ir pra lá, se eu pudesse estar lá Não queria voltar, só pra ver o meu Rei...🎶



Graça e Paz!

Corrigindo os pequenos - Parte I


Por SAMU CAMPOS

Olá, pessoal! Tudo bom com vocês?

Essa semana eu estava lendo alguns artigos de psicologia da educação e me deparei com muito "palpite" de como se educar uma criança (muitos deles dados por pessoas que não tem filhos). 
Me peguei pensando nos parâmetros atuais de aconselhamento infantil e resolvi lançar a seguinte pergunta em um fórum: Esses aconselhamentos são baseados em quê, afinal?
Como resposta, a maioria dos terapeutas/educadores me responderam que se baseiam em dados científicos experimentais e outra, em fatos observados por eles mesmos em outras famílias.

Satisfeita? Não! hahahah
Confesso que fiquei ainda mais intrigada.

Se analisar por base em dados científicos experimentais, vejo a criança sendo exposta como um ser de comportamento totalmente moldável. Até aí não parece tão ruim assim, não é? Agora vamos um pouco mais fundo com um exemplo de correção de uma birra.

Joãozinho (4 anos de idade, caçula de 3 irmãos) não quer comer a sopa que a mãe lhe ofereceu e por isso a joga no chão. A mãe, fã de super Nany, aprendeu que por conta disso ela deve levar Joãozinho para um local X e deixá-lo sentado na cadeirinha por 4 minutos (sempre 1 minutos por idade) de castigo. Ela deve sair e voltar quando esse tempo terminar, abaixar na altura da criança, dizer quer não gostou do que ele fez, pedir para que ele se desculpe, abraçá-lo e retirá-lo do castigo.

Dá certo? Sim, dá. Mas quais os efeitos desse castigo para Joãozinho? Vamos analisar?

* A mãe retirou a criança do local e a levou para outro onde posteriormente ela ficará sozinha. Pensa no sentimento de medo que isso gera na criança!
* A mãe nem ao menos parou para verificar o que gerou esse comportamento na criança. Ignorou o que ele sentia ao não demonstrar sensibilidade por ele, mas outros sentimentos como raiva ao ver a sopa no chão.
* A mãe manda ele ficar ali sentado até ela ir ao seu encontro de novo. Medo, medo, medo!
* A mãe sai. O filho viu a mãe dando as costas pro seu sentimento de novo! Isso é interpretado pelos pequenos como abandono.
* 4 minutos quando você se sente com medo, frustrado e abandonado parecem se tornar quantas horas? Agora imagina para uma criança!
* A mãe volta, se abaixa e explica o motivo do castigo. Aqui é monólogo, a criança não se justifica
* A mãe pede para que ele se desculpe. What??? Pedir da boca pra fora é muito diferente de realmente se entender o motivo do castigo, se arrepender e pedir desculpas.
*  A mãe pede um abraço. Mãezinha, deixa eu te contar uma realidade. Esse abraço não é pra fazer as pazes com você. Lembra que ele tá com medo e frustrado? Esse abraço é pela dor do abandono que você gerou nele!

Prestem atenção em quais sentimentos vocês estão gerando às crianças.
Não sou expert em educação infantil, mas Deus tem me dado graça no aprendizado e na prática também.
Muitas vezes pensamos saber como resolver as coisas e o quão prático é dar umas palmadas ou colocar de castigo, e nos esquecemos de ter empatia com os pequenos, colocar nosso coração no nível do coração deles. Educar é muito mais complexo do que parece.
Sou contra esse modelo "super Nany" por conta disso. Corrige o imediato, mas não traz entendimento para as crianças de maneira clara. Ela deixa de fazer algo pra não ficar de castigo sozinho e não porque é um ato errado.

Os psicólogos comportamentais que me perdoem, mas o método Behaviorista de educação é algo que tem me deixado um tanto aborrecida (em muitos casos, sem generalizar a aplicação. Cada caso, um caso) por conta do engessamento depositado na criança, manipulando seu comportamento e até seu coração.
A criança muitas vezes (muitas novamente, ok? Sem generalizar) se tornam hipócritas seguindo uma conduta anti-cristã de fazer uma determinada coisa esperando algo em troca. Isso é um amor egocêntrico. Vou exemplificar com Joãozinho novamente. Lembram-se que ele tem um irmãos né? haaha

Joãozinho está brincando de carrinho quando seu irmão Pedrinho (1 ano mais velho que João) pede para brincar com o mesmo carrinho. Joãozinho franze a testa e diz em alto e firme tom: "Não!".
Pedrinho chora.
A mãe vem imediatamente e pede a explicação de ambos sobre o por que da briga.
Pedrinho: "Ele não me deixa brincar com o carrinho"
Joãozinho : "Eu vi primeiro"

O que a mãe faz? Tira o carrinho de Joãozinho e dá pro Pedrinho brincar de novo, afinal, Joãozinho já brincou um pouco. Alerta aos filhos que se as brigas persistirem, ela castigará os dois. Se forem bonzinhos e amáveis um para com o outro, ganharão uma estrelinha no quadro que ela mesma confeccionou assistindo a super Nany!
Joãozinho, muito esperto, passa a tratar o irmão muito bem só na presença da mãe, afinal para ganhar as estrelinhas a mãe tem que presenciar um bom comportamento, certo?

De fato os irmãos passam a se amar na presença da mãe, mas será que entenderam a importância do relacionamento fraternal ou de dividir suas coisas?

Mas, e aeeeee Samu, à luz da palavra, como podemos fazer?
Fica pro próximo post que esse já está enorme! hahahah
Segunda-feira postarei sobre correção de filhos. Aguardem!
Deus te abençoe!
Bjos da Samu

Educação começa em casa!

Olá, Semeadores!
Após um longo tempo sem postar, cá estou!
Primeiro gostaria de me desculpar com vocês pela minha ausência. Passo por alguns problemas em relação à saúde da minha filha que, consequentemente, me tomam grande parte de meu tempo. Moramos sozinhas então acumula muita coisa para mim, mas sempre que a minha filha estiver mais tranquilinha, prometo vir postar.

Agora vamos ao conteúdo!
No final do ano passado, fiquei cuidando da casa de um casal de amigos que foram viajar. Durante 15 dias só tive contato com a Manu (minha filha). Nesse tempo, Deus falou muito comigo sobre educação espiritual direcionada aos filhos e sobre essa composição que gostaria de conversar um pouco com vocês ao longo de alguns posts.

Quando falamos em educação, logo lembramos de escola, não é? Pra ensino bíblico tem escola dominical, você poderia argumentar. Mas aqui veremos que vai muito além de levar os pequenos à igreja.


“Estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração. Tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, andando pelo caminho, deitando-te e levantando-te. Também as atarás na tua mão por sinal, e te serão por faixa entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais da casa, e nas portas”. Deuteronômio 6:6-9


Assim como a educação em nível cotidiano, o ensino bíblico deve acontecer em casa e posteriormente na igreja. Devemos ter com nossos filhos o momento de discipulado como um hábito diário, um momento para fortalecimento de vinculo emocional e afetivo entre a família, de ensino e aprendizado, de instrução informativa de conduta, oração e leitura da palavra.


Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.
Mateus 28:19,20
"Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém." - Mateus 28:19-20

Essa passagem de Mateus não se refere apenas a ir mundo afora falando do evangelho. Você tem família, meu caro! Fale de Deus à ela! Se tens filhos, os eduque nos caminhos do Senhor! Apresente Deus a eles e os mostre o quão amigo o nosso Senhor é, o quanto Ele nos ama e o quão maravilhoso, cuidadoso, zeloso, amoroso e lindo Ele é. Ensine-os a palavra de Deus independente da idade deles.
 Já foi comprovado cientificamente que os bebês, ainda no útero de suas mães, começam a receber estímulos de som que afeta a atividade cerebral dos mesmos. Se um som externo qualquer proporciona tantas mudanças em um feto, imagina o poder que tem um louvor nessa hora! 
Vale lembrar também que tudo o que a mãe sente é passado para o bebê. Tem noção? Uma mãe em adoração pode causar um bem-estar enorme ao seu filho e dessa forma, já está ministrando para ele.

Vou partilhar com vocês uma experiência da minha gravidez, algo intimo para os íntimos! hahaha
Eu toda barriguda participava do ministério de louvor. Chegava bem aos ensaios, Manu geralmente estava dormindo, mas era só começar a afinar os instrumentos e ela acordava. Logo na primeira frase que eu cantava ela já começava a se mexer. 
Alguns louvores eram bem significantes para nós duas e ainda o são. Era só começar a cantar a ela revirava na minha barriga de forma absurda. Meu coração acelerava, já sentia vontade de chorar e rir ao mesmo tempo. Era muita emoção!
Até hoje quando ouço ou canto esses mesmos louvores, a Manu na hora já abre um sorriso encantador e já sai pulando (ou dançando, ainda não sei a diferença) e cantando. São louvores que nos quais vejo nitidamente nela uma mudança de comportamento (e sentimento, se assim posso colocar). Seus olhinhos brilham, ela sorri... Pensa numa mãe feliz em ver sua filha adorando à Deus no seu jeitinho tão inocente. 
O mesmo deve ser para as demais questões do evangelho. 
Os pequenos aprendem pelo exemplo. Seja um verdadeiro exemplo de adorador, de filho. Dedique-se ao estudo da palavra, à oração e ao cuidado dos seus. 
Homem, você é o pastor de seu lar. Pastorei suas ovelhas!
Mulher, você é a auxiliadora. Esteja ao lado de seu marido no cuidado e ensino de seus filhos.
Se você é pai e mãe assim como eu, ore para que Deus lhe dê graça de conduzir todas essas funções.

Comece a mudança no seu lar.
Fiquem com Deus
Até a próxima  
Bjos da Samu


Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo,
ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos".
Mateus 28:19,20
Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.
Mateus 28:19,20
Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.
Mateus 28:19,20

Blog Archive

TEXTOS MAIS ACESSADOS