O MÉDICO, O PSICÓLOGO E O PASTOR

A Paz do Senhor!
O texto que segue abaixo foi escrito em 2006, um ano após a minha conversão. O original está em www.danibw.zip.net
-----------------------------------------------------------------------------------
O MÉDICO, O PSICÓLOGO E O PASTOR

Noto que, algumas vezes, surge certo constrangimento entre pessoas religiosas e profissionais da saúde mental. É que muitos crentes acham difícil de enxergar uma conciliação entre a Psicologia Clínica e a Fé em Jesus Cristo. Imagino que isso seja, basicamente, fruto do desconhecimento sobre essa ciência da saúde, e de uma série de preconceitos e enganos resultantes desse desconhecimento.
Algumas pessoas têm em mente que o psicólogo é uma espécie de professor, ou conselheiro, e seus ensinamentos e conselhos sobre a alma humana podem afastar as pessoas de seu crescimento espiritual na Fé Cristã. Este é um grande engano que precisa ser esclarecido, pois mesmo os psicólogos ateus são proibidos por lei, pelo Código de Ética Profissional, em interferir na vida espiritual de seus pacientes.
O psicólogo não aconselha, não ensina e não interfere na fé do paciente. Dar conselhos é papel da família e dos amigos; ensinar é papel dos professores; e intervir na vida espiritual é tarefa dos pastores. Nós não somos nem amigos, nem professores, nem pastores: somos profissionais da saúde mental.
O segundo ponto é a utilização da palavra “alma”, que é um sinônimo de “PSIQUISMO”, ou “mente”, e não de espírito. A alma é o conjunto de pensamentos, sentimentos e ações, criados pelo cérebro e todo sistema nervoso (nervos) e endócrino (hormônios). O psicólogo não intervém no espírito do paciente, mas apenas em sua alma, ou psiquismo.
A alma, em linguagem religiosa, pertence à “carne” – assim como o corpo – e não ao campo espiritual. Toda vez que um psicólogo falar de “alma” não está falando do mundo sobrenatural, mas sim os atos gerados pelo cérebro e pelos hormônios (processos neuro-endócrinos), especificamente: percepções, pensamentos, representações, sentimentos, emoções e comportamento. E mais: processos esses limitados ao tempo de vida terrena da pessoa e nada além disso!
Assim como o médico intervém na saúde do corpo e o dentista na saúde da boca, o psicólogo intervém na saúde da alma (psiquismo, ou mente). Eu costumo comparar que o que o psicólogo faz com a alma (pensamentos e sentimentos) é semelhante ao que um fisioterapeuta faz com o corpo de seus pacientes: através de exercícios, recupera o equilíbrio, a posição correta e trata dores e machucaduras; mas o fisioterapeuta faz isso com técnicas semelhantes a exercícios físicos e massagens (entre outros), enquanto o psicólogo trata a mente de seus pacientes por uma técnica semelhante a uma conversa, que é chamada “psicoterapia”. As técnicas psicoterápicas já possuem 100 anos de comprovação científica, e são eficientes para tratar diversos problemas emocionais, comportamentais e de relacionamento.
O psicólogo clínico é um profissional da saúde especializado em tratar inadequações, distúrbios e mal-estares ligados ao pensamento, afetos e comportamento. Além desses problemas, o psicólogo também pode auxiliar a pessoa sem maiores transtornos a conhecer melhor a si mesmo, de maneira a melhorar sua relação com as pessoas à sua volta e consigo, fazer melhores escolhas e ampliar sua qualidade de vida.
Logicamente que a esfera espiritual interfere na esfera psíquica e corpórea. A própria Ciência já comprovou isso: uma vida espiritual equilibrada auxilia a prevenir e a curar doenças mentais e físicas. O oposto também é verdadeiro: pessoas com uma vida espiritual desequilibrada estão mais sujeitos a doenças físicas e psíquicas.
É pensando nisso tudo que eu defendo o trabalho em conjunto de diversas especialidades diferentes (interdisciplinaridade). Um psicólogo, ou um médico, ou outro especialista, sozinhos, pouco podem fazer. No entanto, quando colaboram entre si em favor do paciente, o médico se responsabiliza pela parte orgânica e medicamentos, o psicólogo pela parte psicoterapêutica, e o pastor pelo crescimento espiritual do paciente, e quem sai ganhando é a pessoa em tratamento. É como diz nas Sagradas Escrituras: o Cordão de Três Dobras dificilmente se rompe! (Ec 4:12).
Vejo o ser humano como um cordão de três dobras: espiritual, psíquico e físico (1Ts 5:23). Somos uma trindade, à imagem e semelhança de Deus (Gn 1:27), sendo corpo, alma e espírito. Embora minha ciência (a Psicologia) se especialize em apenas uma dessas partes do ser humano (o psíquico), não posso ignorar que meus pacientes precisam de cuidados em suas outras duas (corporal e espiritual). Portanto, conto com a colaboração de outros profissionais da saúde (médicos, dentistas, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, etc) para atender ao meu paciente em seus aspectos corpóreos, assim como conto com toda a estrutura das igrejas (pastores, presbíteros, obreiros, evangelistas, etc) para atendê-los no que diz respeito ao campo espiritual.
Tenho plena Fé que em Jesus Cristo está a cura de todos os males, sejam eles físicos, psíquicos ou espirituais (Mt 8:17). Mas também acredito que os profissionais da saúde, como psicólogos e médicos, podem servir de instrumentos de cura. Assim como Lucas, o evangelista, que era um profissional da saúde. Ou como Paulo, Moisés, entre outros, que tinham vasto conhecimento científico, e nem por isso deixaram de ser instrumentos nas Mãos de Deus.
Cabe a todos os profissionais da saúde, de todas as áreas, reconhecerem que a formação científica que recebemos são bênçãos de Deus para as nossas vidas, para que sirvamos ao nosso próximo segundo nossa ciência e ofício de curar. E, acima de tudo, que somos meros instrumentos do Poder de cura Nosso Senhor Deus, e que sem Ele toda nossa ciência é inútil.
Cabe também às autoridades espirituais constituídas (pastores, ministros, etc) também não sobrecarregar suas ovelhas com cargas pesadas (Lc 11:46), muitas vezes proibindo de buscar auxílio profissional por preconceito e desconhecimento.
Fomos criados em corpo, alma e espírito pela graça de Nosso Deus. Grande progresso há para a qualidade de vida das pessoas quando médicos, psicólogos e pastores colaboram entre si, cada um em suas respectivas especialidades, para ser um instrumento da vida em abundância (Jo 10:10) que veio trazer Jesus - o Médico dos médicos, Psicólogo dos psicólogos e Pastor dos pastores!
----------------------------------------------------
E então? Será que meu estilo literário mudou muito nos últimos anos?
Deixe sua opinião sobre o assunto tratado neste texto! Será uma alegria responder ao teu comentário!
Que Deus te abençoe, em Nome de Jesus!
Forte abraço!
Ev. Danielson

0 Comentários em "O MÉDICO, O PSICÓLOGO E O PASTOR"

Postar um comentário

Fique a vontade para comentar e dar sua opinião.
ELA É DE RELEVANTE IMPORTÂNCIA PARA NÓS!

Identifique-se, pois queremos estar sempre em contato direto com nossos leitores!

Obrigado por acompanhar, divulgar e orar pelo blog O Semeador!
Que Deus abençoe sua vida, em nome de Jesus!

Blog Archive

TOP 10