As 10 pragas da atualidade - Parte V


Por Eliézer Rodrigues.








Eita lá! Eita lá! Eita lá!
Conforme prometido na ultima semana, eu voltei! \o/
Como não me demitiram, aqui estou eu pra continuar o tema que venho comentando desde o fim do ano passado: As 10 pragas da atualidade.
Chegamos hoje a metade desse tema, veremos a 5ª praga e essa realmente nos deixa bem bravos.
Algum dia você já pediu alguma informação e foi enganado?
Eu confesso já ter mandado um argentino rumo à saída da cidade quando ele pediu pra ir ao centro.
Certa feita, era época de Natal e as lojas no centro da cidade ficavam abertas até as 22 horas. Eu estava num prédio com salas comerciais e nessa sala tinha um balcão de informações. Resolvi entrar naquele balcão, já que estava vazio, e fiquei lá por um tempo. Enquanto estava lá, uma senhora chegou com uma criança, se aproximou do balcão e me perguntou até que horas as lojas ali ficariam abertas.
Olhei pra ela meio assustado e respondi que naquela noite, as lojas só iriam fechar as 23 horas.
A mulher sorriu e disse que iria antes tomar um sorvete e que depois retornaria.
Não fiquei dentro do balcão nem um minuto a mais. Desapareci dali.
Fico imaginando a raiva da mulher quando chegou e deu de cara com as lojas fechadas. =X
Enfim... ISSO NÃO SE FAZ.
Mostrarei hoje UMA estória que me faz entender que os "INFORMANTES" são uma praga da atualidade.

Gente, deu um aglomero hoje no mercado... É que chegou um navio de Portugal, cheio de gringo. A capitã, muito abobada, falando muito certinho, inventa de comprar qualquer coisa no mercado público. Mê-dê-ducé! Pra quê que ela foi fazer isso, pra quê?! Foi aquela lambança!
Bom, estava eu belo e formoso na praça, matando serviço, de papo pro ar, quando vi aquele navio calhau encostado no píer. Daqui a pouco os gringos desceram. Só dava galego. Daí, uma guria fardada, baita séria, chega pra mim e pergunta:
- Licença, sou a capitã daquele navio. Será que a senhor teria a bondade de ajudar-me?
- Senhor? O que é que tu qués?
- Podes dizer-me onde se encontra o mercado da cidade?
- Ah, claro. Aqui a gente tem um monte: Angeloni, Big, Carrefour...
- E eles vendem suvenirs?
- Ah! Tu qués suvenirs! Por que tu não dissesse antes? Tem o mercado público aqui perto: Vai todavida reto. Quando chegar naquela sinaleira, camba pras dereita e vai. Não tem aquele outro sinal? Camba de novo. É às dereita.
-Cambar? Que estás a dizer?! Não entendi. [falou a capitã, com a maior cara de quem não entendeu nada.]
- Vira. Vira. [expliquei eu.]
- Ah, pois não. Cambar é virar! Mas, mesmo assim, ainda não entendi.
- Qués que eu repita? Tu vais...
- Não, não. [interrompeu-me a capitã] Seria melhor tu me acompanhares. Podes?
Bem que eu podia. Mas não queria. Se bem que dá pra ganhar um troquinho com isso:
- Di pé? Nesse sol?! Derreal.
- Dé... o quê? Que estás a dizer agora?!
Comecei a pensar que aquela gringa era meio banza.
- Grana, money. Entendesse? [ já tava é perdendo a paciência]
- QUÊ?!! Estás a cobrar-me dez reais por uma simples informação?! Pois não pago!
Ô portuguesa esganada! E, que berro que ela deu no meu ouvido!
- É pegar ou largar, capitã. Qués, qués. Não qués, diz. - [foi o melhor que eu pude fazer.]
- Dez reais eu não pago. Se queres, faço a cinco.
- É derreal ou nada. [falei firme.]
- Ah é? Então eu peço ajuda àquela velhinha que está a sair da igreja. Ela, com certeza, não vai cobrar-me nada.
Ah, a dona Lola, não! É bem capaz de ela não cobrar nada mêmu! Mas eu não quero ir de graça!
- Tá bom, capitã Tu ganhasse. Passa os cinco pila aí.
Ela me deu dois e cinqüenta! E essa agora?!
- E achas que sou alguma pateta? [respondeu a capitã, quando eu reclamei] - É metade agora e metade depois que chegarmos. Não vou correr o risco de tu fugires e deixar-me a ver navios. Como dizes tu, qués, qués. Não qués, diz.
- Âh, Âh, sou tanço, eu! De graça é que eu não vou. Mas eu vou cobrar o resto!
Chegando no mercado, a capitã quase me deixou surdo de novo:
- Onde está aquele monte de “cambar” que tu disseste?! ENTÃO TU IAS PASSAR-ME UMA INFORMAÇÃO ERRADA?!!!
Duas vendedoras, vizinhas e inimigas, que viviam se arrenegando, pra minha sorte, acham a capitã e tentam vender sua mercadoria, antes que eu pudesse responder. Uma mais puxa-saco que a outra:
- Fala, chêru. Que é que tu qués comprar? [pergunta a vendedora Lica, sorrindo.]
- Chêru?! - [estranha a gringa] - Que ela está a dizer?!! Que eu estou a cheirar mal?!!! ISSO LÁ É COISA QUE SE DIGA A UMA OFICIAL DA MARINHA?!!!! - [eu quase me afinei de rir!]
- Tás tola? Olha como fala com a ...
- Capitã.
- Tá vendo? Olha como fala com a capitã! - [ralha Diva, a outra vendedora.]
- Tu não dá di dedo em mim!Tu não te cuida, não! - [ameaça Lica.]
- Âh, Âh, tô com muito medo, eu! -[finge Diva.]
A capitã, meio nervosa, pergunta, pra acabar com o aglomero:
- O que temos cá, senhoras?
Diva, voltando a sorrir:
- Souvenirs, senhora. E o meu é o melhor que tem.
Lica, bronqueando:
- Ah, pára, sua sapeira! Tu só vende coisa chinéli!
A portuguesa quase tem um troço:
- Por Deus, o que elas estão a dizer agora?! Sapeira, chinéli...! Não, não, não quero nem sapato nem chinelo!
Eu explico:
- Não, capitã. Isso é só conversa de peixeiro.
- Ô, raios!
Lica ataca:
- Olha aqui, moça, eu tenho uns pelego bem baga. Vai dar tainha, memu...
Diva provoca:
- Âh, Âh, balela! Tá tudo véio, fora de moda!
- Ah, mas credo! Fora de moda é tua vó, sua tança! - [responde Lica, quase tendo um chilique.]
A capitã, impaciente, quase berra:
- Ei, calma! Eu só quero souvenirs!
Lica sorri:
- Olha quanta coisa baga eu tenho aqui.
Diva desdenha:
- Te carca daqui, chineli! Eu tenho coisa bem melhor!
Lica nervosa, rebate:
- Chineli é tu! E vê se não me intica! Já basta o que tu fizesse ontonte! Por causa de ti eu perdi dez cliente!! É mole ou qués mais?!
A capitã já tava tão arrenegada com aquelas duas que quase deu outro berro. Eu, que se ouvisse outro berro daquela portuguesa, ficaria surdo, tive uma idéia. Chamei a capitã e fomos para outro lugar. As duas nem viram e continuaram a brigar:
- Ah, pára! Nem fui eu! Tu atende mal e bota a culpa em mim! E quem é que não sabe que tu só qués tirar farinha?- [berra Diva.]
- EU?!! Tu é que és uma esganada e fica aí me arrenegando!
Diva, furiosa:
- Nem vem! Olha que eu te dou uma guasca nos córno! Já tô por aqui contigo!
- Hôxi!? Então vem! Tu não dá nem pru chêru, sua seca!
- Ah, mas... peraí! A capitã sumiu!
- É memu! Ihhh... então deu pra bolha. Viu o que tu fizesse? Sua xarope!
- Eu?!
A capitã, mais calminha, volta pra perto das duas e fala:
- Desisti de comprar souvenirs.
- E o que tu qués agora?- [pergunta Lica.]
- Uma melancia.
Lica e Diva estranham:
- Melancia?!
- É, melancia. É melhor uma melancia na paz, que um souvenir na guerra. Esse moço - [no caso, eu]- diz que tem uma banca de frutas aqui, e faz um preço bom. Até mais ver.
As duas não gostam nada da novidade. É a quadragésima cliente que elas perdem “por causa de mim”, acham elas. Ihhhhhhhh... tô achando que dessa vez eu não escapo de umas guascas!
- Ah, A GENTE TE PEEEEEEGA!! - [não falei?! SOCORRO!!!!!]
- Ei, ei! Esperem aí! Voltem aqui as três! Raios!- [a capitã dá o maior berro da sua vida] - Eu não posso crer! Fiquei sem souvenir, sem fruta e, pior, aquela panasqueira levou-me dois e cinqüenta!ISSO LÁ É COISA QUE SE FAÇA A UMA OFICIAL DA MARINHA?!!! Ah, e depois, os brasileiros ainda têm a lata de falar mal dos portugueses! QUE RAIOS!!!!!!!!!
E volta pro navio.
É isso aí, pessoal. E, se não fosse o dinheiro que eu ganhei da capitã, não teria pegado o buso e carcado. Me safei daquelas doida!

Então, gambazada!!!
Olhem a confusão criada por causa de um informante mal intencionado...
Espero que vocês tenham gostado dessa estória cheia de confusões, gírias praieiras e linguajar português.
A propósito, esse tipo de linguajar e gíria é bem comum aqui onde moro. Se quiserem conferir, venham até Itajaí, litoral de Santa Catarina QUE EU INFORMO PRA VOCÊS onde encontrar o povo que fala assim.
Por hoje é isso! Na semana que vem eu volto...ou não! Ainda posso ser demitido.
As pragas da atualidade voltam na semana que vem.
Até lá....fiquem na paz do Senhor e continuem visitando nosso blog todos os dias. :)

0 Comentários em "As 10 pragas da atualidade - Parte V"

Postar um comentário

Fique a vontade para comentar e dar sua opinião.
ELA É DE RELEVANTE IMPORTÂNCIA PARA NÓS!

Identifique-se, pois queremos estar sempre em contato direto com nossos leitores!

Obrigado por acompanhar, divulgar e orar pelo blog O Semeador!
Que Deus abençoe sua vida, em nome de Jesus!

Blog Archive

TOP 10