Conheça o Afeganistão

Por Ana Eliza.






Aê galerinha!!! Aki eh a Ana Eliza, e eu vou fazer parte da turma desse blog tão abençoado!!!Ainda mais sobre um temamuito urgente: MISSÕES. Uma frase muito linda que ouvi outro dia e é uma verdade: Missões está no coração de Deus.

Eu vou postar aki alguns países que precisam da sua oração. Os dados são do www.portasabertas.org.br, um site muito interessante e informativo. Vale a pena conferir.

Saiba mais sobre o Afeganistão.



Sob diversas óticas, o Afeganistão é resultado de sua localização geográfica e de sua topografia. A cordilheira Hindu Kush corta o país ao meio e forma um esconderijo natural e uma barreira para os exércitos invasores. Os defensores afegãos só precisavam esconder-se atrás dessa barreira e aguardar o momento oportuno para atacar os inimigos. Por outro lado, as montanhas do Hindu Kush têm evitado a disseminação do evangelho e de influências consideradas modernizantes, como o desenvolvimento tecnológico. A população Os pataneses compõem o maior grupo étnico e constituem aproximadamente 42% da população do país. O segundo maior grupo, com 27% da população, é formado de tadjiques, seguido por hazaras e uzbeques. Do total de 28,2 milhões de habitantes, 44,6% possuem menos de 15 anos. Cerca de 99% da população é muçulmana e deste grupo 80% são sunitas. Há algumas minorias religiosas, incluindo os cristãos. Antes dos conflitos de 2001, a maioria dos cristãos era estrangeira, mas estes se viram obrigados a abandonar o país com o início dos ataques norte-americanos. Sob o domínio do Talibã, os xiitas foram sistematicamente perseguidos. História O Afeganistão já foi disputado por diversos impérios, desde Alexandre, o Grande, até o Império Britânico. Em tempos mais recentes, a autocracia monárquica deu lugar à República (1973), que, por sua vez, terminou com um golpe pró-marxista em 1978, seguido de uma invasão soviética. O conflito armado foi um desastre para o país e levou à retirada dos exércitos vermelhos no final da década de 80 e à queda do regime comunista em 1992. A falta de união entre as fileiras guerrilheiras deu início a uma guerra civil e, ao longo da década de 90, uma milícia fundamentalista denominada Talibã obteve o controle de 95% do país, deixando que apenas uma pequena área ao norte fosse controlada pela inimiga Aliança do Norte. Os ataques terroristas contra Nova York e Washington, em 11 de setembro de 2001, tiveram grandes consequências para a história contemporânea do Afeganistão. Depois de os EUA exigir a prisão e a extradição do saudita Osama Bin Laden (hospedado pelo governo Talibã e acusado dos ataques), declararam guerra contra o Talibã e, a partir do dia 7 de outubro, passaram a bombardear massivamente o território afegão, enfraquecendo a milícia fundamentalista. No final de novembro de 2001, o Talibã já havia perdido o controle de praticamente todo o país, com exceção da cidade de Kandahar, onde a milícia mantinha seu quartel-general. As forças do Talibã se tornaram mais efetivas em 2006, e chegaram até a anunciar seu governo em algumas províncias. Governo Há uma tensão crescente entre o parlamento conservador e governo de Hamid Karzai em relação à liberdade de expressão e outros direitos humanos. Em janeiro de 2008, o conselho islâmico do Afeganistão alertou o presidente sobre a influência de grupos estrangeiros de ajuda humanitária e de novelas indianas. Também exigiram o retorno de execuções públicas. Em fevereiro de 2009, a Comissão Eleitoral Independente marcou as eleições presidenciais para 20 de agosto. Entretanto, o mandato do atual presidente encerra-se em 21 de maio. Não se sabe ao certo o que acontecerá nesse entretempo. Economia A economia afegã foi arruinada por quase duas décadas de conflito. Guerras, terremotos e secas devastaram as estruturas do país. O inverno rigoroso de 2007/2008 e a seca no verão elevaram o preço dos alimentos, em especial da farinha e do arroz. A agricultura é o maior setor da economia e a fonte de renda para a maioria dos afegãos. Mas boa parte desse setor é voltada para o cultivo da papoula, matéria-prima do ópio. Existem diversas tentativas de substituir essa cultura por outras plantações. O narcotráfico é responsável por 60% da economia afegã. Essa atividade intensificou-se após a queda do Talibã, tornando o país responsável pela fabricação de 93% do ópio encontrado em todo o mundo. Talibã O Talibã intensificou suas atividades entre 2007 e 2008; uma delas foi um atentado contra a vida do presidente em 27 de abril de 2008. Fala-se abertamente sobre um possível golpe do Talibã As milícias talibãs intimidam a população nas áreas rurais, fazendo "visitas noturnas", nas quais sequestram funcionários públicos e pessoas que se opõem em sua forma de pensar. O sequestro de trabalhadores de ajuda humanitária aumentou muito. Tropas da OTAN (Organização do Tratado Atlântico Norte) e soldados afegãos têm combatido as milícias do Talibã, mas têm sofrido baixas significativas. Teme-se que, quando as forças da OTAN deixarem o país, o governo atual não sobreviva e comece outra guerra civil.

A Igreja
O cristianismo chegou ao Afeganistão nos primeiros séculos da era cristã. Por volta de 400 d.C., já havia um bispo instalado na cidade de Herat. No entanto, o século XIV assistiu à erradicação do cristianismo por Tamerlão, último dos grandes conquistadores da Ásia Central e, desde então, a influência cristã tem experimentado períodos de ascensão e declínio. Quando o presidente norte-americano Dwight Eisenhower visitou o país em 1959, ele pediu permissão ao rei Zahir Shah para construir uma igreja em Cabul para diplomatas e imigrantes cristãos. Em 1970 o país teve a sua primeira igreja cristã evangélica. Contudo, em 1973 o edifício foi completamente destruído e as fundações foram cavadas em busca de uma igreja subterrânea. Afegãos se converteram com o ministério de missionários no país. Muitos dos convertidos eram deficientes visuais. Com a tomada do poder pelo Talibã, todos os missionários cristãos e a maioria dos cidadãos ocidentais foram expulsos do país. Durante o governo Talibã, a pressão aos cristãos aumentou. Era permitido aos estrangeiros reunir-se em pequenos grupos nos lares, visando comunhão, mas atos evangelísticos e a participação de afegãos eram proibidos. Obreiros cristãos foram expulsos do país; rádios e canais de televisão foram proibidos; e a Polícia do Vício e dos Bons Costumes monitora estritamente o comportamento religioso. A Igreja tem grande necessidade de ensinamento. Algumas pessoas são cristãs há anos, mas não sabem a diferença entre o Velho e o Novo Testamento. Como é perigoso ter uma Bíblia em casa, é rara a oportunidade de se estudar a Palavra de Deus. Em setembro de 2008 disponibilizou-se a tradução da Bíblia no idioma dari. A situação daqueles que decidiram deixar o islã e dos considerados apóstatas continua difícil. Mas, apesar das lutas e obstáculos, a Igreja afegã está crescendo, ainda que de forma clandestina.

A perseguição
A princípio, todos os afegãos são considerados muçulmanos. O Artigo 3 da Constituição afegã sustenta que "Nenhuma lei pode ser contrária à crença da sagrada religião do islã". A apostasia (abandono do islamismo) e a blasfêmia são crimes passíveis de morte. Por isso, convertidos e ateus podem ser condenados à morte. Os não-muçulmanos residentes no país podem praticar a sua fé, mas não podem evangelizar. Em maio de 2007, uma emenda à lei que regula a mídia afegã proibiu a promoção de qualquer religião que não fosse o islamismo. Enquanto manteve o poder, o Talibã instituiu um governo teocrático com base em uma rigorosa interpretação da sharia. Quase todo o território afegão assistiu a uma vigorosa promoção do islã, que resultou em inigualável opressão contra a pequena comunidade cristã. Alguns países, entre eles o Irã e a Arábia Saudita, têm apoiado o Afeganistão com o envio de líderes e livros religiosos e dinheiro. O país é lar para muitos muçulmanos radicais. O controle exercido pela família é predominante. A sociedade afegã é dominada pela família estendida (que inclui avós, tios e primos) e há pouco espaço para escolhas individuais. Assim, a maior pressão contra os cristãos locais vem de suas próprias famílias e rede de relacionamentos. Os convertidos sofrem uma enorme pressão. Em geral, eles têm três dias para se retratar e voltar ao islamismo; caso contrário podem morrer. Por isso, a maior parte dos convertidos guarda sua fé para si e só a compartilha com pessoas que consideram dignas de confiança. Em novembro de 2008, insurgentes do Talibã assassinaram Gayle Williams, 34 anos. Ela foi morta a caminho do escritório por dois homens em uma motocicleta.Em entrevista pelo telefone com a agência Reuters, eles citaram o aumento da "propaganda" do cristianismo como a razão do ataque. Gayle tinha cidadania inglesa e sul-africana. Ela havia sido realocada recentemente para Cabul por motivos de segurança. Gayle era voluntária da agência Servindo o Afeganistão havia dois anos. Um relatório da ONU declarou que houve mais de 120 ataques contra agentes humanitários somente nos primeiros sete meses de 2008. No total, 92 pessoas foram sequestradas e 30 morreram. Em julho de 2007, 23 jovens missionários evangélicos sul-coreanos foram capturados na Província de Ghazi, sul do país. O talibã exigiu que uma tropa sul-coreana (cerca de 200 homens) fosse retirada do Afeganistão, que fosse pago um resgate em dinheiro e que oito de seus militantes fossem libertos em troca dos reféns. Dois dos reféns sul-coreanos, entre eles o pastor Bae Hyung-Kyu, foram mortos pelos radicais quando os prazos para o cumprimento das exigências expiraram. Em meados de agosto, os talibãs libertaram duas reféns doentes, como "um gesto de boa vontade". Depois de seis semanas em cativeiro, as autoridades da Coreia do Sul fecharam um acordo com os rebeldes pela libertação de todos os reféns, em troca de que o país acelerasse a retirada de seu pessoal civil e militar do Afeganistão e contivesse o envio de missionários cristãos ao país.

Motivos de oração
1. Ore pelo povo afegão, em especial pelas crianças. Que elas cresçam em um ambiente pacífico, e tenham oportunidades de estudar. 2. Ore por obreiros cristãos afegãos e estrangeiros que se dedicam ao ensino espiritual e secular do povo. 3. Interceda pelos missionários envolvidos em ajuda humanitária e capacitação profissional dos afegãos. Eles correm riscos cada vez maiores de serem sequestrados e assassinados. Peça a proteção e a sabedoria de Deus para eles e suas agências. 4. Agradeça pela tradução da Bíblia em dari. Que muitos afegãos tenham condições de adquirir um exemplar das Escrituras para si. 5. Ore pelas eleições governamentais do país e pelo futuro líder. Que ele seja um instrumento de Deus para trazer paz ao seu povo.

Flw galerinha, até próximo domingo, se Deus quiser!! Deus abençoe vcs!!!

0 Comentários em "Conheça o Afeganistão"

Postar um comentário

Fique a vontade para comentar e dar sua opinião.
ELA É DE RELEVANTE IMPORTÂNCIA PARA NÓS!

Identifique-se, pois queremos estar sempre em contato direto com nossos leitores!

Obrigado por acompanhar, divulgar e orar pelo blog O Semeador!
Que Deus abençoe sua vida, em nome de Jesus!

Blog Archive

TEXTOS MAIS ACESSADOS